FIJ anuncia novas regras

 

 

 Entre as principais mudanças estão a redução do tempo de duração das lutas no masculino para quatro minutos e o fim do YUKO.

A Federação Internacional de Judô publicou na última sexta-feira, 09, em seu site oficial novas regras que regulamentarão as competições de judô para o próximo ciclo olímpico, passando por um período de testes a partir do Aberto Continental da África, em janeiro, até o Campeonato Mundial de Budapeste, em setembro de 2017. Entre as principais propostas de mudanças estão o fim do yuko e a redução do tempo de luta dos homens de cinco para quatro minutos, assim como é na competição feminina.

De acordo com o comunicado oficial da entidade, o objetivo dessas adaptações à regra é promover uma disputa mais clara e dinâmica.

      "Toda mudança, a princípio, gera uma rejeição, que é natural. Ainda mais quando não há uma discussão mais ampla, envolvendo mais países, técnicos e atletas", pondera Ney Wilson, gestor de Alto Rendimento da CBJ. "Eu entendo que a Federação Internacional tem uma preocupação grande com a imagem, com a divulgação do judô na mídia e, por isso, vem tentando adaptar o esporte à televisão. Diminuir o tempo de luta, por exemplo, é uma medida que visa ao dinamismo exigido pelas transmissões de TV. Ainda é cedo para fazer uma avaliação mais profunda de todas as mudanças, pois precisamos ver essas novas regras como ficarão na prática. O nosso primeiro grande teste será no Grand Slam de Paris, em fevereiro, e teremos um treinamento de campo em janeiro para trabalhar isso com a seleção."


Ainda segundo a FIJ, as novas regras foram elaboradas a partir de propostas de Federações Nacionais e dos 20 diretores do Comitê de Coordenação da FIJ. Em janeiro, elas serão apresentadas no Seminário Internacional de Técnicos e Arbitragem, que acontecerá, em Baku, no Azerbaijão. Durante o período de testes, a nova regulamentação poderá ser corrigida se necessário.


"A forma de preparar o atleta para uma luta de cinco minutos é diferente da forma de preparar o mesmo atleta para um combate de quatro minutos. Eu colocaria, no mínimo, seis meses de adaptação para os atletas, técnicos e os árbitros também", completa Ney.


Veja abaixo os principais pontos das adaptações à regra:


. Duração do combate

- Duração de 4 minutos de luta para homens e mulheres, respeitando a igualdade de gêneros como desejava o Comitê Olímpico Internacional e tempo de luta unificado para a disputa por equipes mistas nos Jogos Olímpicos.

- Apenas pontuações (waza-ari e ippon) decidirão a luta.


. Golden Score

- No caso em que não haja pontuação, ou que haja empate em pontuação, a luta continuará no Golden Score

- Toda pontuação e/ou penalidade do tempo regulamentar permanecerá no placar

- A decisão no Golden Score será pela diferença de pontuação ou shido.


. Avaliação dos pontos

- Fim do yuko. O que era yuko valerá agora como waza-ari. Só haverá pontuação por waza-ari e ippon

- Os waza-aris acumulam, mas não se somam mais. Dois waza-aris não serão equivalentes a ippon

- Imobilização (Osae Komi): 10 segundos para waza-ari e 20 segundos para ippon


. Penalidades

- Máximo de três shidos, no lugar de quatro

- O terceiro shido torna-se Hansoku Make (desclassificação)

- Ações de kumikata (pegada no judogi) não serão mais penalizadas: pegada cruzada, pegada "pistola/torniquete", pegada com dedos por dentro da manga, pegada do mesmo lado.

- Kumikata não será penalizado enquanto o Tori estiver preparando um ataque, mas posições negativas serão penalizadas

- O tempo para fazer uma pegada e um ataque será de 45 segundos

- Em caso de atitude defensiva, será dado um shido

- Catada na perna será penalizada primeiro com um shido e, se acontecer uma segunda vez, será hansokumake.


. Segurança

- Se o Uke tentar evitar uma queda com qualquer movimento que coloque em risco sua cabeça, pescoço ou coluna ele deve ser penalizado com Hansoku Make


. Pontos do Ranking Mundial

- Os pontos serão modificados. Propostas serão feitas em breve.

- Medalhistas de Campeonato Mundial Junior levarão os pontos dessa competição para o Ranking Mundial Sênior

Fonte: FIJ